sexta-feira, 22 de maio de 2015

Santa Úrsula - 22 de maio - Terceiro dia da novena

3º Dia da Novena - 22.05.2015 – Pedro, tu me amas?

(Jo 21,15-19) – ler o Evangelho da Bíblia

1.  Representar-me-ei nesta cena comovente.  Na beira do mar da Galiléia está Jesus como que circundado pela sua santidade e sua divindade.  Pedro e outros apóstolos estão ainda ocupados com as redes e com os peixes.  Pedro contempla o Senhor com este seu amor ardente e fogoso que, é verdade, uma vez falhou, mas talvez isto aconteceu para fazer este amor de arrependimento mais forte e mais profundo.  Ele, ensinado com o triste incidente, já não conta orgulhosamente consigo, mas confia no Senhor, confia que o Senhor terá compaixão da sua fraqueza e nunca mais permitirá que ele caia.  E Jesus volta-se a Pedro: “Simão, filho de João, amas-me mais do que estes?”

Quão grandes sentimentos de alegria e amor acenderam-se nos corações dos Apóstolos!  Jesus quer ter certeza de que Pedro o ama, mas Ele, quem tudo sabe, quem lê neste pobre coração, sabe que o Apóstolo ama o Mestre ao ponto de que hoje daria a sua vida por Ele, que o mundo inteiro nada vale para Pedro, porque quer ter somente Jesus perto de si, estar sempre com Ele, já que de verdade O ama tanto!  Ele não pensa em estar amando mais do que os outros.  Ele sabe que está amando, e isto é tudo para ele.

Posso eu também dizer assim a Jesus: “Jesus, eu Te amo tão ardentemente, que tenho uma só coisa na minha mente – contentar a Ti, a Ti amar, consolar-Te, estar sempre Contigo – Tu me bastas por tudo”?

            2. “Apascenta os meus cordeiros”.  “Apascenta as minhas ovelhas”.  Depois de cada declaração de amor, o Senhor Jesus exige de Pedro que trabalhe para a salvação das almas.  Amas-Me, então trabalhe em favor dos próximos – esta é a melhor prova de amor que podes Me dar.

 Ó Jesus, quero gravar isto no coração.  Quero dar-Te as provas de amor, trabalhando conforme as minha débeis forças em favor das almas.  Este trabalho exige que eu me esqueça de mim, que me dedique e seja bondosa para com os outros.

O que é que eu posso fazer para Ti, para as almas?  A primeira coisa é a bondade sem limites – a bondade, que tem apenas um desejo – tornar a vida do próximo mais doce, e para isto preciso de serenidade de espírito.  Quanto mais alegria der aos outros, esta santa alegria divina, tanto mais facilmente chegarei às suas convicções, mais facilmente os influenciarei. 

O primeiro é o apostolado da bondade – a primeira maneira de entrar nos corações é a constante serenidade da alma, um constante reflexo da felicidade divina no rosto, a alegria constante em todo o meu ser.  Isto é difícil, certamente, porque muitas vezes sentimos a alma pesada e as lágrimas umedecem os olhos, mas não podemos mostrar o que dói, e é preciso estar radiante, serena, isto é para os outros, para o bem deles, para a felicidade deles, para servir de exemplo para eles. Este é o apostolado e este é um ato de amor para com Deus.

 O apostolado da bondade é sacrificar-se em favor dos outros e, isto tampouco é fácil!  Devo renunciar a busca do meu conforto, do meu prazer, do meu gosto, submetendo o meu eu, a minha felicidade a minha satisfação, à felicidade e à satisfação dos outros; isto é difícil, mas esta é a vitória da bondade.  Viver para os outros, não para si – este é o caminho para conquistar as almas.

O apostolado da bondade é o esquecimento de si, é transformar-se em nada, para viver em favor dos outros; inicialmente para o bem material deles, e, através disso, devagar, para o bem das almas imortais. 
Oh, dir-Te-ei, ó meu Jesus: quero Te amar trabalhando pela salvação das almas com  bondade, com uma santa alegria em Deus, com dedicação e esquecimento de mim mesma.

            3.  Jesus pergunta a Pedro: “Simão, filho de João, tu me amas?”   Pedro se assusta com isso, se recorda da sua tríplice negação de Jesus, deste seu Mestre amado, e o arrependimento, um profundo arrependimento que constantemente sentia na alma, renova-se nele com força dobrada.  Como ele, que negou o Senhor, terá o direito de afirmar o seu amor?  E agora com o temor sagrado, com o mais ardente arrependimento e a mais sincera humildade repete esta confissão de amor.  Pecou, é verdade, mas ama tanto mais agora, com maior amor quer reparar ao seu Senhor a ofensa, e este arrependimento e afeição se unem num sentimento do mais puro amor.  “Senhor, sabes tudo, Tu sabes que Te amo”.  Jesus aceitou esta reparação feita por Pedro, este triplo ato do mais puro amor pela tripla negação do Senhor.

Ó Senhor, como Pedro, também eu quero reparar pelas minhas culpas com o arrependimento do amor e com o amor do arrependimento, do fundo do coração dizendo-Te: “Senhor, embora eu seja miserável e indigna, mas eu Te amo acima de tudo, sempre em toda a parte”.
(Med.III/IV-65)
Para refletir:

1.      Como você avaliaria o seu amor para com Deus no seu dia-a-dia?
2.      Qual é o primeiro mandamento de Deus e como você o vive na prática de sua vida?
3.      Você teria coragem de olhar nos olhos de Deus e como Pedro responder: Senhor, Tu sabes tudo, Tu sabes que eu Te amo?

Oração da Confiança ao Coração de Jesus pela intercessão de Santa Úrsula.

Ó Jesus, ao vosso Coração recomendamos este pedido (...). Olhai para ele.
Fazei o que o vosso Coração mandar. Permiti agir o vosso Coração.
O Jesus, conto convosco, confio em Vós e a Vós me entrego.
Ó Coração repleto de amor, toda a minha confiança ponho em Vós,
pois eu sozinho(a) sou capaz de todo mal, mas tudo espero de vossa bondade e amor.

Pelos merecimentos de nosso Senhor Jesus Cristo, aceitai, ó Deus
as orações levadas a Vós pela intercessão de Santa Úrsula,
a imitadora fiel das virtudes do Sagrado Coração de Vosso Filho,
e concedei-nos a graça que confiantes vos pedimos. Amém.

Sagrado Coração de Jesus, temos confiança em Vós.
Santa Úrsula, rogai por nós.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Celebração do Centenário da Congregação das Irmãs Ursulinas CJA

No dia 28 de julho de 2019, na capela da Casa-Mãe e o Santuário de Santa Úrsula Ledóchowska, em  Pniewy, realizou-se a cerimônia, que ...